sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

A desculpa é essa:

De vez em quando me pego pensando
Como devo ser chato, enjoado
Repetitivo...
Então como um bom garoto
Que pra tudo tem desculpas
Me valho de tantos outros loucos
Pra justificar minhas palavras rotas

Como disse Elisa
O ´´eutemo´´ tem nova estréia todos os dias
E que a rotina lhe é nada mais nada menos
Que genuíno mote.

Quintana mostra ainda
Que o amor é mais breve que esta nossa existência
E que se é para amar, que se ame baixinho, todos os dias
Constantemente, sossegado, sem pressa...

Eu digo que amo, e amo muito
E digo repetidas vezes, porque não?
Digo pois compreendo o valor que essas palavras tem:
Valor quase invisível.

Porque não é tinta nem som
Não é imagem nem movimento
Que conseguem significar tudo o que esse sentimento é
Tudo o que quer ser transmitido
Tudo de mim que quer saltar e alçar vôo
Se espalhar no espaço, ganhar grandeza
Fazer feliz o alvo dessa seta!

Florbela perdeu a alma
Por sonhar seu amor...
Eu ando perdendo tantas coisas que já nem sei
Pensas que as quero de volta?
Não, nesse meu caso
Estou contente com o tal escambo
Pois se hoje perco as mãos, ganho os teus olhos
Se perco a direção, ganho tua brilhante voz...

A vontade é tanta de te ter
Englobar sua existência, misturar-me a você
Que os valores humanos mais primitivos
Os instintos mais primordiais
Ganham um valor tão secundário
Que certamente muitos os confundiriam com luxo e futilidade.

A desculpa é essa então:
Digo sim, variadas vezes...
Milhões de vezes serão milhões de grãos de areia
Quero te construir uma praia...
Aí, digo mais milhões de vezes, vezes gotas, e lhe faço um mar...
E continuo dizendo quantas vezes for preciso
E quantas vezes me cobrar o agoniado fervor
Te produzo o que me disse que lhe faz falta
O que te faz não querer voltar...
Aí, depois de tudo pronto
Lhe pergunto com um pouco de receio:
Se importa se eu disser mais uma vez ´´euteamo´´ ?

2 comentários:

Sw disse...

q fofinhu

Anônimo disse...

Não, eu não me importo!
Seja repetitivo até eu te calar com um beijo.